Utilização de mapas mentais nas aulas de Química

O presente trabalho foi elaborado no âmbito de um projeto Erasmus + denominado Blic &
Clic e utiliza a pedagogia de Mobile Learning para promover uma educação mais inclusiva.
A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais em atividades de sala de aula
é uma experiência enriquecedora para todos os alunos. Os mapas mentais foram
integrados nas técnicas de ensino emergentes, como a sala de aula invertida, e podem ser
particularmente eficazes com os alunos, porque os envolvem, incentivam a sua criatividade
e ensinam a aprender, em vez de só ajudar a memorizar os conteúdos. Esta pesquisa foi
realizada numa aula de Química do 12o ano, utilizando como metodologia pedagógica o
flipped learning. Um aluno com necessidades educativas especiais (paralisia cerebral
motora) trabalhou, em grupo, com alunos sem deficiência e usou a APP-Popplet para
elaborar o relatório da atividade laboratorial “Ciclo de Cobre”. Este estudo concluiu que as
atividades propostas permitiram que todos os alunos tivessem novas oportunidades para
aprofundar e aplicar os seus conhecimentos. Houve a promoção da aprendizagem
cooperativa no desenvolvimento das competências sociais e cognitivas dos alunos.
Aumentou a sua autonomia, a gestão organizacional do trabalho, as relações interpessoais
e a motivação para a aprendizagem.

Palavras-chave: educação inclusiva, flipped learning, mapas mentais.

 

https://drive.google.com/file/d/1w2SuGXpKUa4W_aHF7BeuxMd6g5nDsZwB/view